terça-feira, 16 de agosto de 2011

“EM MEIO A UM FOGO CRUZADO”


  “Meus pais se divorciaram quando eu tinha 12 anos. Em certo sentido, fiquei aliviada. O ambiente ficou mais calmo em casa; eu não precisava mais ouvir as brigas. Mesmo assim, eu tinha sentimentos conflitantes.
 “Após o divórcio, eu queria me dar bem com meu pai e com minha mãe, por isso me esforcei para ficar o mais neutra possível. Mas não importava o que eu fizesse, sempre me sentia em meio a um fogo cruzado. Meu pai falava que minha mãe me colocaria contra ele. Então, eu precisava garantir-lhe constantemente que ela não estava tentando me influenciar. Minha mãe também era muito insegura. Ela dizia que tinha medo de que eu estivesse dando ouvidos às coisas negativas que meu pai falava sobre ela. Cheguei a ponto de achar que não podia contar mais a nenhum dos dois sobre como me sentia, porque não queria magoá-los. Então, dos 12 anos de idade em diante, eu basicamente guardei para mim meus sentimentos em relação ao divórcio deles.” — Sandra.

“DIREITO BÁSICO DE TODA CRIANÇA”


“Quando eu tinha 5 anos, meus pais se divorciaram porque meu pai teve um caso passageiro com a secretária. No que diz respeito a cuidar de mim, eles fizeram tudo ‘certo’ de acordo com os conceitos da época. Eles me garantiram que, embora não se amassem mais, ainda me amavam. E os dois continuaram a cuidar das minhas necessidades materiais, mesmo depois que meu pai se mudou para um apartamento do outro lado da cidade.
  “Dois anos depois, minha mãe se casou de novo e nos mudamos para outro país. Após isso, eu só via meu pai num intervalo de alguns anos. Nos últimos nove anos, eu o vi apenas uma vez. Ele perdeu a maior parte do meu crescimento e só conhece meus três filhos — seus netos — por meio das fotos e cartas que enviei para ele. Eles sentem falta de conhecer o avô.
  “Embora meus pais tenham se divorciado, cresci sem problemas aparentes. Mas por dentro tive de lutar contra fortes sentimentos de raiva, depressão e insegurança, sem saber por quê. Perdi toda a confiança nos homens. Foi só quando eu tinha 30 e poucos anos que uma amiga experiente me ajudou a identificar a origem da minha hostilidade, e eu comecei a lutar para me livrar desses sentimentos.
  “O divórcio dos meus pais tirou de mim o direito básico de toda criança — sentir-se segura e protegida. O mundo é um lugar frio e assustador, mas acho que a família completa é uma proteção, um lugar onde a criança pode se sentir cuidada e consolada. Sem a família, essa proteção não existe.” — Diane.

4 O efeito do divórcio nos filhos


“Foi horrível”, diz José, um pai divorciado na Espanha. “O pior momento foi quando descobri que o outro homem era o marido de minha irmã. Eu simplesmente queria morrer.” José percebeu que seus dois filhos — de 2 e 4 anos — também foram afetados pelo comportamento da mãe. “Eles não conseguiam aceitar a situação”, diz ele. “Eles não entendiam por que sua mãe estava morando com o tio deles e por que tínhamos ido morar com minha irmã e minha mãe. Quando eu precisava ir a algum lugar, eles diziam: ‘Quando você vai voltar para casa?’ ou ‘Papai, não nos abandone!’”
Os filhos costumam ser as vítimas esquecidas na guerra do divórcio. Mas que dizer se pai e mãe simplesmente não se dão bem? Num caso assim, será que o divórcio é mesmo “melhor para os filhos”? Em anos recentes, essa ideia tem sido questionada — principalmente quando os problemas conjugais não são tão graves. O livro The Unexpected Legacy of Divorce (O Inesperado Legado do Divórcio) declara: “Muitos adultos que estão presos num casamento muito infeliz ficariam surpresos de saber que seus filhos estão relativamente satisfeitos. Eles não se importam se a mãe e o pai dormem em camas separadas, desde que a família esteja unida.”
É verdade que as crianças geralmente percebem os conflitos entre pai e mãe, e a tensão conjugal pode afetar a mente e o coração desses filhos tão pequenos. No entanto, pode ser um erro presumir que o divórcio automaticamente será nos melhores interesses deles. “A estrutura proporcionada pelo casamento parece ajudar os pais a manter o tipo de disciplina coerente e moderada à qual os filhos reagem bem, mesmo quando o casamento deixa a desejar”, escreveram Linda J. Waite e Maggie Gallagher no livro The Case for Marriage (Em Defesa do Casamento).
O que pode acontecer: O divórcio pode deixar seus filhos arrasados, principalmente se você não os incentivar a ter um relacionamento sadio com seu ex-cônjuge. — Veja o quadro “Em meio a um fogo cruzado”.
Este artigo analisou quatro fatores que você faria bem em considerar se estiver pensando em se divorciar. Como já foi mencionado, se o seu cônjuge o traiu, é você quem deve tomar uma decisão. Mas, não importa o que decida fazer, você precisa estar ciente das consequências. Saiba quais desafios surgirão e esteja preparado para enfrentá-los.
Depois de pensar no assunto, pode ser que chegue à conclusão de que a melhor saída é se esforçar para melhorar o casamento. Mas será que isso é possível mesmo?

3 O efeito do divórcio em você


Mark, na Grã-Bretanha, foi traído pela esposa mais de uma vez. “Na segunda vez”, diz ele, “eu percebi que não conseguiria conviver com a possibilidade de ser traído de novo”. Mark optou pelo divórcio, mas descobriu que ainda a amava. “Quando as pessoas me dizem coisas negativas sobre ela, acham que estão ajudando, mas não estão”, conta ele. “O amor continua por um bom tempo.”
David, já mencionado, também ficou arrasado quando descobriu que sua esposa estava envolvida com outro homem. “A princípio não conseguia acreditar”, conta ele. “Eu realmente queria passar cada dia da minha vida com ela e nossos filhos.” David optou pelo divórcio, mas o rompimento deixou dúvidas quanto ao seu futuro. “Eu me pergunto se alguém poderá me amar de verdade ou se serei traído outra vez se me casar de novo”, comenta ele. “Minha confiança ficou abalada.”
Se você é divorciado, é natural que sinta uma ampla variedade de emoções. Pode ser que ainda sinta amor por essa pessoa com quem teve um relacionamento tão achegado. (Gênesis 2:24) Por outro lado, talvez guarde mágoas por causa do que aconteceu. “Mesmo após alguns anos”, diz Graciela, já mencionada, “você se sente confusa, humilhada e desamparada. Você se lembra de muitos momentos felizes do casamento e pensa: ‘Ele dizia que não conseguiria viver sem mim. Será que estava sempre mentindo? O que deu errado?’”
O que pode acontecer: Talvez você ainda sinta raiva e esteja ressentido por causa do modo como foi maltratado pelo seu cônjuge. Às vezes, a solidão pode ser devastadora. — Provérbios 14:29; 18:1.

2 Criação dos filhos


“A infidelidade do meu marido foi um grande baque”, conta Jane, na Grã-Bretanha. “Também fiquei arrasada por ele ter nos abandonado.” Jane se divorciou dele. Embora acredite ter tomado a decisão certa, ela admite: “Um desafio que enfrentei foi ter de ser a mãe e o pai dos meus filhos. Tive de tomar todas as decisões sozinha.”
Graciela, uma mãe divorciada na Espanha, passou por uma situação similar. “Fiquei com a guarda unilateral de meu filho de 16 anos”, diz ela. “Mas a adolescência é um período difícil, e eu estava mal preparada para criar meu filho sozinha. Passei dias e noites chorando. Eu me sentia uma péssima mãe.”
Aqueles que compartilham a guarda dos filhos enfrentam um outro problema — negociar com o ex-cônjuge assuntos delicados como visitas, pensão e disciplina dos filhos. Christine, uma mãe divorciada nos Estados Unidos, comenta: “Desenvolver um relacionamento de cooperação com seu ex-marido não é fácil. Há muitos sentimentos envolvidos e, se não tomar cuidado, você pode acabar usando seus filhos como um meio para tentar manipular a situação.”
O que pode acontecer: As decisões tomadas no tribunal referentes à guarda dos filhos talvez não sejam as que você gostaria. Se você compartilha a guarda, seu ex-cônjuge talvez não seja tão sensato como você gostaria nas questões já mencionadas, como visitas, pensão e assim por diante.